Quando e como eu descobri que era portador da Síndrome de Parkinson




domingo, 30 de maio de 2010

Entrevista com o Neurologista Dr. Cícero Galli Coimbra

Eu já havia comentado em postagens anteriores, quando e como eu descobri que era portador da Síndrome de Parkinson, que meu neurologista disse que a possível causa da minha doença fora relacionada por stress exacerbado e a classificou de secundária, adquirida e de nível 2. A escala vai até o nível 5.
O meu blog tem como objetivo interagir com o público interessado em doenças degenerativas com ênfase especial na Doença de Parkinson, mas principalmente procurando me relacionar com os amigos, parentes e pessoas que me querem bem, das quais, direta ou indiretamente tiveram ou têm algum relacionamento comigo nesta trajetória de vida.
O homem tem, de acordo com os princípios bíblicos, contribuir com o próximo de uma maneira totalmente despojada de interesses pessoais, doando parte do que você possui. Pode ser um conhecimento para quem precisa, sem alarde. De preferência, anônimo.
É sabido que prestar-se voluntário para causas nobres a favor dos mais necessitados, estimula o seu bem-estar, levando o cérebro a renovar as ligações entre neurônios, evitando que doenças degenerativas possam se desenvolver.
Tenho como intento com este blog, o qual é linkado com outros blogs congêneres, levar aos não portadores da doença a se protegerem, aos familiares dos parkinsonianos a estimularem seus entes queridos às praticas alternativas de exercícios diversos, com o intuito de postergar o avanço do Parkinson e também porque não, levar aos pesquisadores de uma maneira geral, o modus vivendis de um portador, que a CONTROLA usando de artifícios simples, porém funcionais, já narrados em capítulos anteriores.
No dia 26 de maio, eu tive uma consulta com o descobridor da minha doença, o neurologista Dr. Luiz Fernando Martins. Ele me examinou, relembrou-se do dia em que me diagnosticou. Relembrou-se do quão péssimo eu estava. Disse taxativamente: Você conseguiu regredir a progressividade da doença, e te digo mais: “Somente nós é que sabemos desta doença”.
Saí do consultório com o coração palpitando de alegria e com uma vontade imensa de gritar para o mundo. A Doença de Parkinson é CONTROLÁVEL.
Podem os críticos, os fracos, os incrédulos acharem uma insensatez de minha parte alardear, através de um blog, que uma doença desta envergadura, tida no meio médico científico como cruel e de difícil controle, ser domada.
Chamo a atenção novamente para olharmos para dentro de nós e com toda volúpia possível gritar para você mesmo: “Eu não tenho esta doença, e se, por acaso, ela estiver instalada em algum lugar do seu corpo, que fique aí, inerte, passiva, porque eu sou forte o suficiente para controlá-la".
O objetivo desta postagem é levar uma boa mensagem aos meus leitores amigos, seguidores, anônimos e a todos que querem ter vida longa e com saúde. E para isto acontecer, terão de pagar um “preço”: Ter mais qualidade de vida, uma vida com menos stress, uma vida compartilhada com o próximo, uma vida familiar mais intensa, uma vida voluntariosa, uma vida com Deus no coração.
“Dinheiro é muito bom, desde que ele trabalhe para o meu bem-estar”.
Para corroborar com os meus atuais objetivos, eu pediria que investisse em você curtos 35 minutos. Assista um vídeo com a entrevista do neurologista Dr. Cícero Galli Coimbra, lattes.cnpq.br/0828498555941677.

 http://mais.uol.com.br/view/85r7d735pwrw/sistema-nervoso-0402336EE4B96346?types=A&

Os leitores podem encontrá-la também, no blog que sigo:       http://app-vr.blogspot.com/


A entrevista é um presente para todos nós mortais, que gostaríamos de viver nesta terra, porém com mais qualidade. Aproveitem.