Quando e como eu descobri que era portador da Síndrome de Parkinson




quinta-feira, 19 de agosto de 2010

Pista para a origem do Parkinson

A notícia divulgada pela Agência FAPESP trás a luz algumas ligações sobre a baixa imunidade e o Parkinson.

Divulgação Científica


Pista para origem do Parkinson

16/8/2010

Agência FAPESP – Um grupo de pesquisa nos Estados Unidos descobriu nova evidência de que a doença de Parkinson pode ter origem infecciosa ou autoimune. A novidade foi publicada neste domingo (15/8) na revista Nature Genetics.
O estudo identificou uma relação genética entre o sistema imunológico e a doença progressiva e incurável. Os pesquisadores examinaram mais de 2 mil pacientes com Parkinson em quatro estados norte-americanos e outros 2 mil voluntários sem a doença.
Foram avaliados fatores clínicos, genéticos e ambientais que poderiam contribuir para o desenvolvimento e a progressão da doença e de suas complicações. Alguns foram acompanhados por quase 20 anos.
“Durante o tempo da pesquisa, encontramos pistas sutis de que a função imune poderia estar ligada ao Parkinson. Agora, temos evidência muito convincente disso e uma ideia bem definida de quais partes do sistema imunológico podem estar envolvidos”, disse Cyrus Zabetian, professor da Universidade de Washington, um dos autores da pesquisa.
Os pesquisadores descobriram uma nova associação da doença com a região HLA (sigla em inglês para “antígenos leucocitários humanos”), que contém um grande número de genes relacionados à função imunológica em humanos.
Os genes HLA são essenciais para o reconhecimento de invasores nos tecidos do corpo. Mas o funcionamento não é sempre perfeito, uma vez que os genes variam muito de pessoa a pessoa.
Certas variantes dos HLA estão associadas com um aumento no risco ou na proteção contra doenças infecciosas, enquanto outras podem induzir distúrbios nos quais o sistema imunológico ataca tecidos do próprio corpo.
Esclerose múltipla, uma doença neurológica causada pela autoimunidade, também está associada com os HLA. O estudo observou que a variante genética associada com a doença de Parkinson está na mesma região que a ligada à esclerose.
De acordo com a pesquisa, investigar a conexão entre Parkinson e inflamações, especialmente no contexto da um marcador genético variável, pode levar ao desenvolvimento de medicamentos melhores e mais seletivos para o tratamento da doença.
O artigo Common genetic variation in the HLA region is associated with late-onset sporadic Parkinson's disease (doi:10.1038/ng.642), de Haydeh Payami e outros, pode ser lido por assinantes da Nature Genetics em www.nature.com/ng.



Stress e Parkinson - Combina?

Stress, Aborrecimentos... são o que há de pior para os portadores do mal de Parkinson.
O parkinsoniano tem que se conscientizar, e aqui incluem seus familiares e ou pessoas próximas, de que a mudança de hábitos no cotidiano é de vital importância para amenizar a doença.
As medicações concatenadas com exercícios físicos são de extrema valia, mas nada adianta se o paciente não tiver paz de espírito, controle do stress e uma mudança de hábitos capaz de deixá-lo mais relaxado, leve, solto e de bem com a vida.
Mas o que é o stress, afinal?
O stress é um conjunto de reações desenvolvidas, testadas e aprovadas pela natureza há milhões de anos que preparam os animais para fugir ou lutar pela sobrevivência. O stress aguça os sentidos, aumenta temporariamente a energia, a força muscular e a resistência contra infecções.
O stress é essencial para a sobrevivência da espécie animal na terra, pois a percepção de um perigo iminente desencadeia, imediatamente, reações de alarme que produzem intensas modificações fisiológicas no organismo do animal, preparando-o para fugir.
Porém, o stress exacerbado é totalmente prejudicial ao organismo humano. O acúmulo de stress pode desencadear desequilíbrios no indivíduo, deixando-o agressivo, violento, introspectivo. Pronto para explodir a qualquer momento.
Como mencionado, o Dr. Wanderley Ribeiro Pires, em seu livro Qualidade de Vida: “ Viver em sociedade, ser social, significa saber se controlar, ponderar, discutir com moderação, em suma, não brigar, não agredir! Desde crianças somos ensinados a reprimir nossa agressividade natural e a usar a inteligência para defender nossos interesses. Entretanto, argumentações inteligentes exigem maior atividade mental que, por sua vez, aumenta a ansiedade e a tensão, formando um círculo vicioso que prolonga o stress”.
Kant, grande filósofo do iluminismo, disse que o homem é diferente dos animais porque ele raciocina, ele pode pensar, e assim sendo, tem de exercer imperativamente o “dever ser”, que o ordena incondicionalmente. Não é uma motivação psicológica, mas a lei moral interior. O dever ser não é um catálogo de virtudes nem uma lista de “faça isto” e “não faça aquilo”. O dever é uma forma que deve valer para toda e qualquer ação moral.
Simplificando; nós devemos mudar nossos hábitos, nosso modo de vida, sem obviamente deixar de cumprir os encargos que a vida nos remete, como por exemplo, prover a família.
Muito se diz – “ganhar dinheiro é bom, mas a saúde em primeiro lugar”.
Atualmente é veiculado na mídia, de maneira geral, que os hospitais públicos estão caóticos, defasados tecnologicamente, abarrotados de pacientes angustiados queixando de todos os tipos de doenças. Nunca se vendeu tanto medicamentos como agora. As indústrias farmacêuticas estão batendo recordes acima de recordes com a venda de remédios, pois a sociedade ainda jovem que deveria estar transpirando energia, saúde, alegria, está lotando consultórios médicos.
Sendo conhecedor desta síndrome de pânico que vive a sociedade, eu resolvi pisar no freio, desacelerar a velocidade da vida, entretanto sem deixar de trabalhar, estudar, prover minha família. Ou seja, cumprindo com as responsabilidades que me cabem.
Um dos hobbies que resgatei ultimamente foi exercitar o meu tino de fotografia. Fotografar é procurar ver coisas que normalmente se olha, mas não percebem os detalhes. É um passa tempo para amenizar o stress e ao mesmo tempo curtir a natureza.
Alguns meses passados, eu fui convidado a passar um fim de semana na fazenda de um amigo no interior do estado. Obviamente levei meu arsenal fotográfico. Fui feliz, pois o dia e a noite estavam propícios para clicar ao revelar, em tempo real, as maravilhas de uma flor desabrochando, um bago se abrindo e lançando sua semente ao solo, um entardecer de tirar o fôlego. Não há como não apreciar um pôr do sol no horizonte. São estes pequenos detalhes que a princípio passa despercebido que eu gostaria de mostrar.
Detalhes! Exatamente o que se precisa para tirar uma foto original. Esperar, esperar... é essencial para clicar algo da natureza. Um hábito que perdemos hoje em dia, pois nunca temos tempo para coisas que não traduzem resultados econômicos.
É ai que precisamos de ajustes no nosso metabolismo, programando-nos para desvendar os segredos do mundo em que vivemos e deixar que a psicossomatização de doenças entre em processo de regressão, buscando a autocura, conforme comentei em matérias anteriores.
De acordo com Pires, talvez estejamos precisando apenas dar um pouco de vazão aos nossos impulsos. Praticar exercícios sem sacrifícios, encontrando o nosso próprio ritmo. Andar sem controlar a distância e o tempo. Correr contra o vento, conhecer uma caverna, escalar um monte, nadar a favor das correntes, brincar nas ondas do mar e deixar o corpo secar ao sol, apaziguando nossas mentes e cicatrizando as feridas que nos corroem a alma!
E digo mais, tudo isto está ao alcance de qualquer um! Basta vontade. E mais uma vez, reafirmando Kant, na sua terceira máxima moral: “a vontade que age por dever institui um reino humano de seres morais porque racionais e, portanto, dotados de uma vontade legisladora livre ou autônoma”.
Você é autônomo. Não espere que tomem decisões por você. Aja! Mexa-se! Seja criativo, proativo. Você Pode!
Veja alguns vídeos que preparei e que compartilho com meus leitores com a finalidade de aguçar a sensibilidade que cada um tem pelas beldades que a natureza oferece e que muitas das vezes passa despercebido aos olhos comuns. Para alcançar a felicidade, não precisamos de muito, basta ter vontade e iniciativa. Deixar fluir naturalmente o que há de bom em nossos corações. E por favor, compartilhe comigo suas experiências, deixando mensagens no blog ou fazendo um simples comentário.

  
video



video

segunda-feira, 9 de agosto de 2010

A minha Medicação e seu Desempenho no Organismo.

No primeiro capítulo eu informei que a minha primeira medicação tinha sido o Mantidan 100mg. O neurologista receitou dois comprimidos ao dia, sendo um na manhã, após o desjejum e outro ao entardecer, logo após o jantar.
Logo a seguir, complementou com o Sinemet com o seu princípio ativo – levodopa. Iniciei tomando meio comprimido, duas vezes ao dia.
Diz a prudência que você deve sempre consultar um segundo especialista. Procurei outro neurologista que tinha acabado de conhecer numa reunião de amigos que me receitou Akineton – Biperideno, mais indicado para pacientes anticolinérgicos, ou seja, tremores de repouso.
Percebi que algo estava errado, pois meu estado não manifestava nenhum tremor. Remédio sem necessidade é veneno, então para que tomá-lo!
Retornei ao primeiro médico neurologista que prescreveu o Requip – ropinirol, pois ele acabara de participar de um seminário no Chile e a medicação tinha sido amplamente discutida e indicada. Não deu certo. Foi uma aposta. Seu efeito no meu organismo não foi melhor do que o Sinemet.
Procurei um terceiro especialista que alterou a medicação anterior com Sifrol 0,25mg e o Prolopa 100/25mg. Comecei com meio comprimido de Sifrol 0,25mg e meio comprimido de prolopa.
Ao longo dos anos a medicação foi alterada na sua dosagem, sendo que o Sifrol 0,25mg subiu para 0.50mg e posterior para 1.0mg. O Prolopa subiu de 100/25mg para 200/50mg.
As drogas aludidas se encontram estabilizadas nas dosagens mencionadas, sendo administradas da seguinte forma:

Medicamento Horário Fração comprimido Observação

Prolopa 200/50mg 8 – 15 – 23 ½ Jejum( desjejum após 1 hora)

Sifrol 1 mg 8 – 15 – 23 1

Mantidan 100 mg 9 – 20 1 Após café e Jantar

A observação em tomar o prolopa – levodopa em jejum e preferencialmente após 1 hora o paciente poder fazer seu desjejum é justificado pelo fato de que os produtos proteinados podem prejudicar o efeito do princípio ativo, ou seja, o levodopa.
Os exercícios físicos combinados com a medicação são essenciais para o conforto do parkinsoniano. Isto eu não tenho a menor dúvida.
Dias atrás fui consultar o neurologista e na antessala comecei a dialogar com um senhor que aguardava para sua primeira consulta. Ele tinha apenas 3 anos do diagnóstico de sua doença, porém parecia bem mais debilitado que outros que conheci. Ele afirmara que era desleixado quanto à terapia medicamental e também não era assíduo na execução de exercícios físicos. Gostava de tomar “umas e outras” e não se sentia bem após a ingestão de bebidas alcoólicas. Relatou-me que gostava de pimenta e sua ingestão o fazia muito bem.
A conclusão que tirei deste pequeno diálogo, vai de encontro com a minha afirmação. É necessária muita dedicação e perseverança para tentar frear a progressão, pois a doença de Parkinson não é letal, mas aleija, te emborca, travam seus movimentos e pode levá-lo a uma cadeira de rodas, cama etc.
O meu propósito é auxiliar meus leitores mostrando o meu comportamento frente a esta doença, pois como meu médico disse: “cada paciente reage de uma maneira frente à medicação, exercícios físicos, fonoaudiologia, terapia Ocupacional, Fisioterapia, tão necessários para a postergação do Mal de Parkinson”. E quem sabe eu possa contribuir com a comunidade parkinsoniana na simples narrativa do meu cotidiano.
O fato verdadeiro é que o prazer que tenho em compartilhar com o outro são de grande relevância. É uma forma de comunicação que a infovia me proporcionou para interagir. Como disse Richard Bach “longe é um lugar que não existe” e assim eu posso voar como a Gaivota do mesmo autor para disseminar meu pensamento.
Nesta última consulta, relatei para o medico meus desconfortos mais recentes. A medicação estava vencendo sua eficácia bem mais cedo. O equilíbrio, sentimento de perna pesada, passos lentos dentre diversos sintomas da doença estavam mais presentes.
Foi alterada novamente a medicação e prescrito um novo Prolopa – 100/25 – levodopa + cloridrato de benserazida- com HBS em cápsula, que concatenado com as outras drogas, ficaram assim:

Medicamento Horário Fração comprimido observação

Prolopa 200/50mg 6 – 11 – 16 ½ Jejum

Sifrol 1 mg 6 – 11 – 16 – 22 1

Prolopa 100/25mg HBS 22 1 Jejum

Mantidan 100mg 8 – 20 1 Após café e jantar

Já me sinto bem melhor após esta nova composição medicamentosa, aliado à harmonização de horários com o da minha esposa. Ela queixava que estava sendo prejudicada no convívio diário, uma vez que sempre que nos encontrávamos eu estava “vencido”, ou seja, nos horários de contato na manhã, almoço e retorno do trabalho eu me encontrava em baixa.
Um fato que estava passando despercebido e de grande importância no relacionamento com as pessoas de uma maneira geral é que não entro em depressão e mantenho o meu humor “up”, evitando com isto me enclausurar dentro de um cômodo da casa. Procuro aceitar todos os convites que me são feitos, evidentemente, mais seletivos, assim como os amigos. Encontrei uma boa forma para cultivar uma boa relação, refletir melhor quanto o modus vivendis de uma maneira geral, procurando a tão almejada qualidade de vida ou a tal felicidade.
Como relata o Dr. Wanderley Ribeiro Pires no seu livro – Qualidade de Vida – “ a participação dos pacientes é fundamental nos processos de prevenção e cura das doenças do mundo civilizado, uma vez que são os principais responsáveis pelo estilo de vida que estão praticando. A única alternativa viável é a mudança de hábitos e costumes prejudiciais, através da promoção da saúde”.

Deixo aqui também um texto de um autor desconhecido, intitulado – Alguns Caminhos para Encontrar a Felicidade ...pinçado do livro Para um novo Amanhecer de Antônio de Andrade.

Alguns Caminhos para Encontrar a Felicidade . . .

(autor desconhecido)

Inicie cada dia alegre, cantando como os passarinhos.
Cantar dilata os pulmões e abre a alma
para tudo de bom que a vida tem a lhe oferecer.

Diz um ditado “a música é o alimento do espírito”,
por isso saúde o dia e as pessoas com alegria.

Ria da vida, dos problemas, ria de você mesmo.
Você começa a ser feliz quando é capaz
de rir de você mesmo.

Não deixe os problemas e dificuldades afetarem você.
Procure convencer a si mesmo de que tudo está bem.
Acreditando nisso sentirá que tudo está bem mesmo
e sentir-se-á bem melhor.

A alegria (ou o mau humor) é contagiante.
Quando você está bem humorado e alegre,
as pessoas ao seu redor também ficarão
e você sentirá mais força nesse ambiente.

Pratique algum esporte,
fazendo exercícios regularmente.
Ande a pé ou de bicicleta, corra, nade, mexa-se!
Isso cria energias positivas, e você ficará surpreso
ao começar a sentir-se mais jovem, mais disposto,
mais animado com a vida.
Trabalhe com prazer, goste do que faz.
É maravilhoso trabalhar
quando se gosta do que faz.

Ponha amor e dedicação ao que faz.
Realize o que sempre desejou realizar.
Não deixe os seus projetos para amanhã.
Aproveite as oportunidades que a vida lhe oferece.

Extraia o máximo de pequenas coisas e momentos.
Elas têm a dimensão e o valor que você lhe conferir.
Uma pizza em um ambiente aconchegante
pode ser mais gratificante do que um lauto jantar
em um restaurante sofisticado e caro.