Quando e como eu descobri que era portador da Síndrome de Parkinson




quinta-feira, 19 de agosto de 2010

Stress e Parkinson - Combina?

Stress, Aborrecimentos... são o que há de pior para os portadores do mal de Parkinson.
O parkinsoniano tem que se conscientizar, e aqui incluem seus familiares e ou pessoas próximas, de que a mudança de hábitos no cotidiano é de vital importância para amenizar a doença.
As medicações concatenadas com exercícios físicos são de extrema valia, mas nada adianta se o paciente não tiver paz de espírito, controle do stress e uma mudança de hábitos capaz de deixá-lo mais relaxado, leve, solto e de bem com a vida.
Mas o que é o stress, afinal?
O stress é um conjunto de reações desenvolvidas, testadas e aprovadas pela natureza há milhões de anos que preparam os animais para fugir ou lutar pela sobrevivência. O stress aguça os sentidos, aumenta temporariamente a energia, a força muscular e a resistência contra infecções.
O stress é essencial para a sobrevivência da espécie animal na terra, pois a percepção de um perigo iminente desencadeia, imediatamente, reações de alarme que produzem intensas modificações fisiológicas no organismo do animal, preparando-o para fugir.
Porém, o stress exacerbado é totalmente prejudicial ao organismo humano. O acúmulo de stress pode desencadear desequilíbrios no indivíduo, deixando-o agressivo, violento, introspectivo. Pronto para explodir a qualquer momento.
Como mencionado, o Dr. Wanderley Ribeiro Pires, em seu livro Qualidade de Vida: “ Viver em sociedade, ser social, significa saber se controlar, ponderar, discutir com moderação, em suma, não brigar, não agredir! Desde crianças somos ensinados a reprimir nossa agressividade natural e a usar a inteligência para defender nossos interesses. Entretanto, argumentações inteligentes exigem maior atividade mental que, por sua vez, aumenta a ansiedade e a tensão, formando um círculo vicioso que prolonga o stress”.
Kant, grande filósofo do iluminismo, disse que o homem é diferente dos animais porque ele raciocina, ele pode pensar, e assim sendo, tem de exercer imperativamente o “dever ser”, que o ordena incondicionalmente. Não é uma motivação psicológica, mas a lei moral interior. O dever ser não é um catálogo de virtudes nem uma lista de “faça isto” e “não faça aquilo”. O dever é uma forma que deve valer para toda e qualquer ação moral.
Simplificando; nós devemos mudar nossos hábitos, nosso modo de vida, sem obviamente deixar de cumprir os encargos que a vida nos remete, como por exemplo, prover a família.
Muito se diz – “ganhar dinheiro é bom, mas a saúde em primeiro lugar”.
Atualmente é veiculado na mídia, de maneira geral, que os hospitais públicos estão caóticos, defasados tecnologicamente, abarrotados de pacientes angustiados queixando de todos os tipos de doenças. Nunca se vendeu tanto medicamentos como agora. As indústrias farmacêuticas estão batendo recordes acima de recordes com a venda de remédios, pois a sociedade ainda jovem que deveria estar transpirando energia, saúde, alegria, está lotando consultórios médicos.
Sendo conhecedor desta síndrome de pânico que vive a sociedade, eu resolvi pisar no freio, desacelerar a velocidade da vida, entretanto sem deixar de trabalhar, estudar, prover minha família. Ou seja, cumprindo com as responsabilidades que me cabem.
Um dos hobbies que resgatei ultimamente foi exercitar o meu tino de fotografia. Fotografar é procurar ver coisas que normalmente se olha, mas não percebem os detalhes. É um passa tempo para amenizar o stress e ao mesmo tempo curtir a natureza.
Alguns meses passados, eu fui convidado a passar um fim de semana na fazenda de um amigo no interior do estado. Obviamente levei meu arsenal fotográfico. Fui feliz, pois o dia e a noite estavam propícios para clicar ao revelar, em tempo real, as maravilhas de uma flor desabrochando, um bago se abrindo e lançando sua semente ao solo, um entardecer de tirar o fôlego. Não há como não apreciar um pôr do sol no horizonte. São estes pequenos detalhes que a princípio passa despercebido que eu gostaria de mostrar.
Detalhes! Exatamente o que se precisa para tirar uma foto original. Esperar, esperar... é essencial para clicar algo da natureza. Um hábito que perdemos hoje em dia, pois nunca temos tempo para coisas que não traduzem resultados econômicos.
É ai que precisamos de ajustes no nosso metabolismo, programando-nos para desvendar os segredos do mundo em que vivemos e deixar que a psicossomatização de doenças entre em processo de regressão, buscando a autocura, conforme comentei em matérias anteriores.
De acordo com Pires, talvez estejamos precisando apenas dar um pouco de vazão aos nossos impulsos. Praticar exercícios sem sacrifícios, encontrando o nosso próprio ritmo. Andar sem controlar a distância e o tempo. Correr contra o vento, conhecer uma caverna, escalar um monte, nadar a favor das correntes, brincar nas ondas do mar e deixar o corpo secar ao sol, apaziguando nossas mentes e cicatrizando as feridas que nos corroem a alma!
E digo mais, tudo isto está ao alcance de qualquer um! Basta vontade. E mais uma vez, reafirmando Kant, na sua terceira máxima moral: “a vontade que age por dever institui um reino humano de seres morais porque racionais e, portanto, dotados de uma vontade legisladora livre ou autônoma”.
Você é autônomo. Não espere que tomem decisões por você. Aja! Mexa-se! Seja criativo, proativo. Você Pode!
Veja alguns vídeos que preparei e que compartilho com meus leitores com a finalidade de aguçar a sensibilidade que cada um tem pelas beldades que a natureza oferece e que muitas das vezes passa despercebido aos olhos comuns. Para alcançar a felicidade, não precisamos de muito, basta ter vontade e iniciativa. Deixar fluir naturalmente o que há de bom em nossos corações. E por favor, compartilhe comigo suas experiências, deixando mensagens no blog ou fazendo um simples comentário.